fundo parallax

Você precisa dos rebeldes!

 
Tem um assunto que mexe bastante comigo e faz com que muitas pessoas me questionem a seguinte dúvida: 'Alberto, por que você gosta de viver e de ter sempre rebeldes nas suas equipes? Porque que esses rebeldes não são desligados ou convidados a se retirar da sua empresa?'

P ode parecer maluquice, mas não é. Eu agradeço todos os dias por esses rebeldes que fazem parte da nossa organização. Talvez você esteja se perguntando por que eu os mantenho no Grupo Life Brasil e nas empresas que faço parte. E eu lhe respondo da seguinte maneira.

Quando os rebeldes promovem a sua rebeldia e você sente o impacto dela, é porque esse rebelde tem um certo impacto sobre a sua operação e também sobre a sua pessoa. Então, a primeira pergunta que eu quero que você faça a si mesmo, quando perceber que tem rebeldes na sua equipe, é: como ele tem um impacto e, de certa forma, choca, por que esse rebelde tomou uma posição ou fez uma atitude diferente que foi desconfortável para você?

Pare, pense e raciocine. O primeiro ponto é: por que esse rebelde deu um choque para despertar em você a questão de dizer que esta rebeldia não é positiva? O segundo ponto é que os rebeldes promovem uma série de coisas importantes na sua empresa. Você precisa ficar atento em quem são as pessoas que convivem com esse rebelde. Até porque você tem os rebeldes do bem e os rebeldes do mal. Os dois tipos de rebelde colaboram para o crescimento da sua empresa.

Os rebeldes do bem promovem e estão sempre buscando a inovação. Buscar inovar, fazer coisas diferentes e encontrar novas alternativas são algumas de suas características. Se a sua empresa é um pouco rígida, você tem que parar, pensar, escutar e analisar se isso não pode ser positivo. Como havia falado no início, eu amo conviver com esses rebeldes. Seja pelo modelo de inovação ou pelas ideias. Muitas vezes um novato rebelde que ingressa na sua empresa pode lhe dar uma solução que, até então, você com os antigos e mais experientes, não teve a condição de pescar e ter esse feeling. Ele contribui para entender qual era a resposta da solução que você queria encontrar para um problema. Esse é o rebelde do bem, o bom rebelde.

Mas e o mau rebelde, por que ele também é bom? Porque se você encontrar as pessoas que vão diretamente ao encontro desse rebelde do mal, você já sabe que despertou o senso crítico negativo nelas. Até então, você não poderia não saber que ele poderia causar algum transtorno. Muitas vezes o rebelde do mal, esse crítico que é inconformado com as coisas - com a empresa, com a ideia da diretoria, com os conceitos, com o método, com a inovação - também acaba carregando as pessoas e colabora para limpar àqueles que não fazem sentido na empresa. Os rebeldes do mal podem carregar as pessoas para fora da sua empresa. Logo, é importante você deixar que esses rebeldes criem essa forma de aproximar pessoas que tem a mesma convicção deles.

Resumindo:

Rebeldes do mal - tendo críticas destrutivas, ele colabora para carregar pessoas que tem essa mesma convicção.

Rebeldes do bem - querem sempre inovar a sua empresa.

Eu sou uma pessoa extremamente feliz e muito alegre por ter rebeldes na nossa organização. Sejam eles do mal, que carregam o restante das pessoas que até então não saíram da caixa; como os do bem, que promovem a inovação.

Como dizia o Comandante Rolim sobre a grande questão dos concorrentes: "gostaria que eles ficassem eternamente vivos para que eu encontrasse mais e melhores alternativas para o sucesso do meu próprio negócio."

Ame os rebeldes! Eles vão carregar as pessoas que não são positivas para o seu negócio e as críticas destrutivas, mas também vão inovar e dar melhores ideias que irão gerar uma inovação diferente. Afinal, eles não estão preocupados com o que você pensa, mas sim, em colocar em prática a sua crença. E isso pode fazer a sua empresa conquistar resultados avassaladores.

Excelentes resultados e extraordinário um dia! Até a próxima!